30 de março de 2020Informação, independência e credibilidade
Policia

Venda de lotes em área de milícia no Rio de Janeiro tem dedo da diretoria do PSL estadual

Ela aparece em várias fotos ao lado de Flávio Bolsonaro, da secretária de vitimização no governo de Wilson Witzel tem amizade com Queiroz

Major Fabiana (eleita deputada federal pelo PSL do Rio e atual secretária de vitimização do governo de Wilson Witzel), Alessandra Ferreira e o senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ)

A Polícia Civil investiga Alessandra Ferreira de Araújo, integrante do diretório do PSL no Rio de Janeiro, por suspeita de vender lotes ilegais em um terreno em Paciência, zona oeste do Rio. O empreendimento imobiliário chamado Residencial Gabriela já foi alvo de operações policiais três vezes

A integrante do PSL, que diz desconhecer as investigações, é investigada no inquérito pela venda de lotes em área de milícia e também é citada em inquérito da Polícia Federal.

O procedimento foi resultado de uma operação realizada em janeiro do ano passado no mesmo terreno, em que policiais encontraram, em um contêiner, contratos ilegais de “promessas de compra e venda” de lotes, além de extração ilegal de barro.

No documento apreendido pela PF, havia o nome de Alessandra como “proprietária terrenista” do Residencial Gabriela. Os lotes eram anunciados em outdoors com venda “diretamente com o proprietário, com parcelas a partir de R$ 600, sem análise de crédito”. “Aqui você pode”, dizia o anúncio, que também incluía. “Aceitamos seu carro como entrada”.

O delegado que conduzia as investigações na época, Antonio Ricardo, chegou a dizer que “o loteamento clandestino é uma fonte de renda da milícia que a gente vai combater com mais intensidade”.

“Esses marginais pegam áreas públicas e, às vezes até particulares e fazem estes loteamentos e depois vendem esses terrenos para pessoas de boa-fé. É importante que as pessoas que fazem aquisições desses lotes, terrenos, se certifiquem da documentação para não passar pelo constrangimento de terem a obra demolida no meio da construção”. Antonio Ricardo, delegado responsável pela investigação.

Uma outra ação no terreno prendeu os policiais militares Alan e Alex Rodrigues de Oliveira, irmãos de Valdencie Meliga, presidente do PSL no município do Rio. Ambos também operam para o partido do presidente Jair Bolsonaro.

Vogal no PSL

De acordo com o sistema do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), Alessandra Ferreira de Araújo é “vogal” do diretório do partido no Rio, cargo que garante participação de assembleias e na tomada de decisões do partido. Ela aparece em várias fotos ao lado do senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) e Major Fabiana, eleita deputada federal, hoje secretária de vitimização no governo de Wilson Witzel.

Alessandra Ferreira também tem amizades com figurinhas carimbadas, como o ex-funcionário de Flávio Fabrício Queiroz, e Valdenice Meliga, irmã dos policiais militares Alan e Alex que operavam no local.

Em nota, o PSL disse que “não tem qualquer relação com o terreno citado” e que “questões que envolvam o assunto devem ser direcionadas às pessoas envolvidas no caso”. Já a assessoria do senador Flávio Bolsonaro preferiu não se pronunciar sobre o assunto.

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.