8 de agosto de 2020Informação, independência e credibilidade
Blog

Vídeo: Novo ministro da educação quer castigo e dor para as crianças

O que deu mesmo na cabeça dessa gente?

Pastor Milton Ribeiro, novo ministro da Educação

Os costumes bárbaros do Brasil antigamente geraram uma escola onde os professores, além tudo eram feitores. A educação de crianças era tratada à base do chicote, com a conivência da ignorância dos pais.

A regra dos pais para os chamados “mestres” da época: “Tem minha autorização para não passar a mão na cabeça deles”. Recado dado, autorização bem recebida.

De pancada com régua na cabeça, palmatória, beliscão, puxões de orelhas, chineladas na bunda e castigos como ficar de joelhos no canto da sala sobre grãos de milhos era a pedagogia de então.

O aprendizado à base da tortura. Há quem se vanglorie dizendo que isso deu certo e hoje defende que essa metodologia volte para as escolas.

Imagine que o novo Ministro da Educação, Pastor Milton Ribeiro, ainda não empossado pelo governo Jair Bolsonaro, vai ser ouvido na Câmara dos Deputados por ser adepto do “castigo com dor” para educação das crianças. Ribeiro é uma indicação da bancada evangélica da Câmara.

Em vídeos divulgados no youtube e agora já apagados pelo ministro, ele deixou claro que a s crianças precisam ser educadas sentindo dor.

Diz ele, literalmente:

-A correção é necessária para a cura”, diz o pastor. E continua: “deve haver rigor, severidade. E vou dar um passo a mais, talvez algumas mães até fiquem com raiva de mim: deve sentir dor”.

Será mesmo que o Ministério da Eduação está condenado a viver nas mãos de figuras doentias?

O que diabo deu na cabeça dessa gente?

Na dúvida, veja o vídeo:

 

2 Comments

  • Avatar Joao Evandro Ribeiro

    Vcs pegam um vídeo de 2016 onde ele fala na posição de pastor, onde ele fala para os fiéis, e não para a nação, jornalismo pobre, bem que Bolsonaro diz que existe um complô contra o Brasil e e esse tipo de jornalismo que devemos excluir da sociedade

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.